Fitzcarraldo

Fitzcarraldo(1982) é um filme cujo enredo se passa em Iquitos. Dirigido por Werner Herzog, o filme retrata a obsessão de Brian Sweeney Fitzgerald em construir uma ópera no coração da floresta amazônica. Fã de Caruso, ele tenta transpor as barreiras naturais de Iquitos, que não pode acessada por vias terrestres, para a construção dessa edificação. O filme põe Iquitos em evidência no cenário internacional e traz, de forma muito interessante, a natureza como uma personagem do enredo, contra a qual Brian luta incansavelmente.

O elenco conta com nomes como Klaus Klinski José Lewgoy, Grande Otelo e Milton Nascimento. Ele foi indicado ao Globo de Ouro e a Palma de Ouro como melhor filme em lingua estrangeira. Werner Herzog recebeu a Palma de Ouro de melhor diretor por este filme.

Abaixo segue um trecho de um lindo texto feito por Daniel Dalpizzolo, sobre o filme:

“Nós somos feitos do tecido de que são feitos os sonhos”.

Começo este artigo sobre Fitzcarraldo citando um dos mais famosos pensamentos do dramaturgo inglês William Shakespeare, autor de inúmeros clássicos da literatura mundial. Mas, afinal, o que teria Shakespeare a ver com Werner Herzog, diretor da obra em questão? Tudo e nada, ao mesmo tempo. O excêntrico cineasta alemão jamais utiliza qualquer pensamento shakespeariano ao longo desta grandiosa e megalômana produção (aliás, a sentença acima é referenciada na obra-prima inigualável O Demônio das Onze Horas, de Jean-Luc Godard, em meio a outras tantas referências artísticas e filosóficas que emolduram um dos maiores feitos da humanidade – e não apenas artisticamente falando), mas, parece que evoca e reflete a supracitada frase do finado pensador a cada segundo deste impressionante, poético e reflexivo épico sobre o combustível que move a existência humana: os sonhos.

Afinal, de nada mais trata Fitzcarraldo se não de sonhos, não importando a origem, a imensurabilidade, a significância, a plausibilidade ou nenhum outro fator externo que possa interferir, tanto para auxiliar quanto para dificultar sua realização. E é de sonhos que se constitui a essência de Brian Sweeney Fitzgerald, ou, como o próprio prefere se chamar, Fitzcarraldo (nome cuja origem se dá na linguagem nativa da região em que é ambientada a obra), protagonista deste filme. Irreverente, endiabrado e com constantes delírios de grandeza, Fitzcarraldo, após desistir da construção de uma linha férrea em meio à floresta, parte para um novo desafio: agora, quer, a todo o custo, construir o maior teatro de ópera que a selva amazônica já vira em todos os tempos, em um lugar completamente isolado do mundo, no meio da mata nativa. Para tanto, não mede esforços nem muito menos dimensões, tentando fazer do impossível seu mais fiel aliado e, ademais, o que é pior, o verdadeiro e único objetivo a ser alcançado.

Download no MyOneThousandMovies
Trailer no Youtube
Página no IMDB
Wikipedia
Post de Daniel Dalpizzolo

Anúncios
Esse post foi publicado em Amazônia, ayoreos, água, cinema peruano, Iquitos, SOS Ciudades e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s